“A luz tudo manifesta… portanto, vede prudentemente como andais” (Efésios 5.13, 15)
“Diante de ti puseste as nossas iniquidades, os nossos pecados ocultos, à luz do teu rosto”. (Salmos 90.8)
“Como a cera se derrete diante do fogo, assim pereçam os ímpios diante de DEUS” (Salmos 68.12).
Segundo certos autores, o vocábulo “sincero” procede de duas palavras latinas: sine e cera. Significam “sem cera”. Ao estudar a etimologia ou a origem desta palavra, somos transportados ao tempo do império romano, no qual certos escultores pouco escrupulosos disfarçavam os defeitos de suas estátuas de mármore, ocultando-os com cera. Eles dificilmente eram visíveis a olho nu, a menos que a estátua fosse exposta ao sol. Por isso os escultores honestos asseguravam aos seus clientes que suas obras eram “sinceras”, sem cera.

O apóstolo Paulo fala da fé “não fingida” de Timóteo (2Timóteo 2.5), que também se interessava “sinceramente” pelos filipenses. Em 2Coríntios 8.8 convoca os coríntios a dar uma prova da “sinceridade” do amor deles, ajudando os irmãos mais pobres.

É necessário que a nossa fé e todas as suas manifestações possam suportar a prova da luz divina. “DEUS é luz… se andarmos na luz, como Ele na luz está, temos comunhão uns com os outros” (1 Joao 1.5-7). Contudo, se o pecado nos surpreender, não o escondamos “com cera” ou seja, com outros nomes mais delicados, subterfúgios, desculpas, justificativas. Cedo ou tarde, a cera irá derreter. Por outro lado, “se confessarmos os nossos pecados, Ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça” (1Joao 1.9)

UMA LINDA SEMANA PARA VOCÊ, SEM CÊRA!!!…
Ricleide Janousek

Compartilhe este post com seus amigos:
Compartilhar esta página via Facebook Compartilhar esta página via Twitter
Leia Mais